Utilizamos cookies para aprimorar a sua experiência em nosso site. Ao aceitar estará ciente sobre o deles em nossas configurações de personalização. Para saber mais leia nossas Política de Cookie e Política de Privacidade.

link para whatsapp novidário
link para o topo da página
Dormitório de pousada estilo rústico com cama, bicama, beliche e estante de aço com madeira da linha montes com teto angulado e vigas de madeira

Localismo e viagens curtas: como a pandemia impulsionou o turismo local

07 março | POSTADO ÀS 10:03 H

Já não é nenhuma novidade que a pandemia do Covid-19, que decorre desde março de 2020, acelerou inúmeras mudanças no comportamento das pessoas. Previsões, rumores e tendências materializaram-se rapidamente, e a sociedade teve de se reorganizar de acordo com os novos paradigmas impostos pelo vírus. O consumo não ficou de fora. E a reorganização das nossas rotinas nos fez repensar diversos hábitos de consumo. As limitações impostas pelo vírus variaram desde a impossibilidade de movimentações longas até a falta de abastecimento.

Idos quase dois anos de caos, as mudanças ainda embaralham os horizontes. Carla Buzasi, diretora executiva da WGSN, na abertura do reportConsumidor do futuro 2022“, conta que “[na WGSN] estamos acostumados a ver as nossas previsões de longo prazo ganhando vida depressa, mas nunca nessa velocidade”. 

Pense local, aja local

“Cidadãos do mundo”, participantes de uma sociedade interconectada, com o olhar lançado além das mais desafiadoras fronteiras, tivemos de dar um tempo em toda a euforia. E não é que rolou?

O desejo de consumir no próprio bairro cresceu na pandemia. Serviços e produtos oferecidos por micro e mini empreendedores ganharam espaço. Além do mercado de segunda mão que modernizou-se e ampliou as alternativas a produtos escassos. E não parou por aí. A inconstância dos importados valorizou os produtos nacionais, e a impossibilidade de voar encheu as estradas rumo ao interior. 

Em uma dessas estradas, que passa aos arredores do município de São Bento do Sapucaí, fica a Pousada Barão Montês. Desde 2003 a pousada atende os peregrinos do “Caminho da Fé”. Trajeto tradicional dos peregrinos brasileiros, parte do município de Águas da Prata e só para na catedral de Aparecida. Desde 2018 a pousada está sob nova gestão, e a Novidário, junto com os novos gestores, repensam o mobiliário do local a fim de melhorar o serviço prestado aos fiéis.

A Linha Montês, nomeada em homenagem à instalação decana, foi criada para atender às novas necessidades da pousada. Pensando na natureza do serviço prestado, sendo um ponto de passagem para os peregrinos passarem a noite, foram desenvolvidos camas, bicamas, beliches e estantes que focam na funcionalidade sem deixar de lado o conforto e o design no mobiliário, com a estrutura tubular quadrada de aço e a madeira aliando o rústico e o moderno.



newsletter

Criado e Desenvolvido por: Agência Zíriga